Artigo: Caminhos

A Vida está ai para nos ensinar: há estradas inúmeras e de diversas naturezas. Há aquelas que já encontramos ao nascer, forjadas pelo pioneirismo dos que nos precederam; há aquelas que testemunhamos a sua construção, acompanhando passo a passo os seus lineamentos, há aquelas que terminam em abismos, obstaculando a continuidade da marcha; há aquelas que varam os precipícios, entrelaçando-se à ponte, para continuar além.

Estradas são pontos de passagem, ao encontro de alguma coisa, nem sempre disponível ao nosso conhecimento prévio; são lugares onde o esplendor ou a escuridão defenderão suas existências, na dependência dos olhares que os miram; são instâncias a convidarem os pés que se dignam a percorrê-las, para a essencial jornada do viver, enquanto caminham; podem se constituir em luzes de descobertas deslumbrantes ou em prelúdio de fracassos retumbantes; serão, todavia, para sempre, a experiência vivida e aprendida, na luz meridiana do dia ou no oculto negrume da noite.

De todas as estradas, uma há, mais importante de todas, aquela que construímos enquanto caminhamos.

Nas imprescindíveis paradas para a apreciação das paisagens é inevitável a introspecção. No balanço necessário das orações cometidas, desvendamos o enredo tecido com suores, lágrimas, obstinação, denodo, a fim de tirarmos as reflexões e ensaiarmos os próximos passos, escolhendo a direção a seguir.

Feridas e espinhos, tanto quanto bálsamos e flores, permeiam a nossa jornada, seja ela individual ou coletiva.

A sabedoria oriental, já nos norteava a agir tal qual o sândalo, que perfuma o machado que o fere. Ensina-nos também a insculpir na pedra, todos os benefícios provindos do ser solidário e a inscrever sobre a terra as ferroadas pungentes que os incautos nos infligiram, amargurando nossas almas.

Continua abraçando a causa que achas justa ao teu coração. Nada pode abalar o caminho daquele que age movido pela convicção do servir. ¨Tudo serve, tudo se encadeia¨, em nosso processo ascensional. Cada detalhe talha-nos a alma, na oficina da vida.

É preciso seguir estradas, sobretudo as que nos encaminham ao encontro conosco próprio. Mas se há várias estradas, há apenas um caminho, onde todas se fundirão um dia, pois somente Ele será capaz de nos levar ao mais importante objetivo das nossas existências, o Pai Celestial. Em Jesus, o caminho do Amor Incondicional.

Autor: Fernando Caldas

—–